quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

A morte do boxe!

Mike Tyson
Butterbean 





Anyhaseo!
Lembro que no ano de 1999 estar assistindo MMA com alguns amigos e ouvir  uma pessoa comentar que com o surgimento do MMA  o Boxe estaria fadado a morte e ao esquecimento. A maioria do grupo se empolgou e começou a levantar coros de morte sobre a esgrima dos punhos.
Meu avô era caseiro de uma fazenda quando minha mãe era criança. Nesta fazenda havia um professor de pugilismo que lecionava aos filhos dos patrões, a Nobre Arte, e por sempre estar lá e acompanhar os treinos minha mãe chegou a praticar boxe durante um tempo. Um dos anseios dela é que um dia eu viesse a praticar boxe. Esporte que o destino colocou no meu caminho algumas vezes.
Lembro quando criança ela me ensinar uns jabs e diretos. Ela falava: Se alguém quiser bater em você na escola você faz isto e isto e acerta o nariz deles. Por ser o gordinho e alvo de brincadeiras na escola eu tinha que enfrentar os valentões de vez em quando. Às vezes ela brincava que ela era o lutador Butterbean e eu era o Tyson. Achava engraçado ela falar de boxe e de que um dia havia treinado e no começo eu nem acreditava, precisou meu avô confirmar para eu acreditar. Minha mãe era a única a vingar de uma prole de três filhos que minha avó trouxe ao mundo.
O tempo foi passando e eu fui crescendo. Meu pai me acordava de madrugada para assistir na TV as lutas de Boxe e aos filmes da série Rocky. Até hoje um dos meus filmes favoritos é o Rocky III. Naquela época eu via Julio César Chavez, Oscar De La Hoya, Tyson e Holyfield.
Em 2009 decidi começar treinar Boxe pois assistia as lutas a tarde de boxe nacional, na Rede TV!. Em particular as lutar de Anderson “Pantera” Clayton e Peter Venâncio. Lembro  que nesta época minha irmã havia começado Karate. Lembro-me de procurar pela cidade toda uma academia de boxe e não havia achado. Uma das únicas academias que eu conhecia havia fechado. Passou um tempo e acabei desistindo de treinar, porém segui fã de Boxe. E quando minha irmã voltava  do Karate eu me empolgava com suas histórias de treino e decidi procurar uma arte marcial. Ela foi uma grande inspiração para mim. Decidi pelo Tae Kwon Do e lá fui eu treinar. E por coincidência meu Mestre de Tae Kwon Do boxeia muito bem. Nunca entrei nesse mérito de perguntar, se ele treinou, mas sei que ele se vira no boxe muitíssimo bem. Assim como esgrima com os pés é claro.
Quanto ao Boxe ele sobreviveu apesar da grande concorrência do MMA. Podemos dizer que ele está mais vivo que nunca e se mostra uma arte valorosa aos praticantes de Artes Marciais Mistas. Junior Cigano que o diga já que ele é um exímio pugilista e campeão peso pesados de MMA.
Às vezes a gente acha que por a mídia brasileira se fechar para o Boxe o mesmo não faça mais sucesso. Como diz o conto Japonês: O sapo no fundo do poço não imagina o tamanho do rio!
Afirmar que o boxe acabou é um engano. Internacionalmente hoje o Boxe é a luta mais bem paga de todas e segue paralela ao MMA em seu reinado. Quisera que a mídia brasileira abrisse mais espaço para a Nobre Arte e pudesse voltar a ter meus sábados acompanhando o boxe. Sem o qual hoje eu nem estaria praticando Karate.


Oss
David Mendes











Anderson Pantera Clayton
Vídeo retirado do canal Cboxesantalidia do Youtube!

Um comentário:

  1. Cara, já ouvi essa história até por narradores da Globo, falando isso pro Popó.
    Disse pra minha esposa: "o MMA nunca vai substituir o Boxe", pois aacredito que a Fina Arte é um esporte de mais... classe.
    Abraço!

    ResponderExcluir