quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Diga me com que andas...


Leões animais que compartilham seus hábitos

“Quem anda com os sábios será sábio; mas o companheiro dos tolos sofre aflição.”
Provérbios 13:20

" Se alguém olha para você no meio de um grupo de marginais, logo irá pensar por lógica que você é um deles"
Mestre César

Anyhaseo!
Lembro me uma vez quando adolescente meu pai levou minha irmã e eu ao cinema e como não eramos uma familia muito abastada ele acabou “escolhendo” passear pelo shopping enquanto a gente assistia ao filme. Hoje o preço do cinema já é um pouco salgado e na época não era diferente e dava mais o menos  o equivalente a um quilo de carne “de primeira”. No lado de fora ele acabou arrumando papo com um grupo de jovens. Meu pai era vendedor porta a porta e nunca teve dificuldades para achar amigos onde passava. Lembro me de um dia invejar a facilidade com a qual ele se comunicava. E durante a conversa com os jovens de repente ele foi abordado por seguranças do shopping  e levado a sala da segurança junto com os “novos amigos”. Ele devia ter mais ou menos seus 40 a 45 anos enquanto o resto do grupo de jovens que haviam furtado coisas do comécio teriam entre 15 a 20 anos e nesta época, de forma modesta, sempre andou bem vestido e de barba e cabelos feitos e vestimenta social. O que pelo meu modo de ver diferenciava ele do grupo o que me leva a crer que sua pele parda (preconceito existe ainda infelizmente) contribuiu para que fosse “detido”,mas talvez se ele tivesse controlado mais sua sociabilidade,isso poderia ter evitado o transtorno. Na sala da segurança a surpresa foi que um dos chefes da segurança chamado para coordenar o “interrogatório” era um comandante da polícia militar de quem meu pai foi aluno em um curso de segurança privada na extinta “Americana” (escola de segurança privada famosa nos anos 90 no “boom” das terceirizações no Brasil). Desfeito o mal entendido, meu pai foi dispensado e os jovens devolveram os produtos furtados e seguiram seus caminhos. Parecendo um episódio de “Os Simpsons” onde uma história se desenrolava enquanto outra seguia paralela, eu encontrei meu pai que me contou de sua “aventura” e fomos para casa.
Aquele dia em particular a facilidade de meu pai em se enturmar havia ensinado uma lição a ele, que ele já sabia, mas que por ajuda da cegueira do preconceito racial dos segurança e de sua inocencia, acabou se fazendo mais necessária naquela hora.
Com algumas pessoas não se anda. Naquele dia ele fez questão de me falar da importância de com quem andar e com quem devemos caminhar na vida ou em pequenos momentos dela. Ele quando jovem saiu de casa aos 13 anos para trabalhar. Conseguiu empregos de cozinheiro de casa noturna a frentista. E de jovem adquiriu o hábito de beber. Depois de adulto após a perda da primeira filha e o nascimento de minha irmã ele decidiu que precisava parar. Naquele tempo procurou os Alcoólicos Anonimos e teve de abandonar literalmente muitas “amizades” as quais pela convivência e ambientes que frequentavam acabariam levando ele a beber novamente.
Diz o  autor americano chamado David J. Schwartz : “Vencedores andam com vencedores”

O interessante é que isso é verdade. Quando eu comecei treinar Artes MArciais eu comecei a me tornar amigo de Karatecas que me recomendavam ler livros sobre a Arte e comecei a ler e a pesquisar sobre mestres graças aos meus senpais que me davam um grande exemplo e influencia. Pois de certa maneira a convivencia em grupo te influencia. Para bem ou para mal. Vemos muito, principalmente nas periferias, jovens que desejam ter coisas e dinheiro para adquirilas serem “recrutadas” por criminosos que usam dessa ganancia e desejo ferramentas para trabalhar a mente dessa garotada que se perde. E por aí vai. Se você é artista marcial procure andar com quem faz o que você faz. Ande com quem de bom testemuno da arte e com que a pratica com excelência e o mais importante PRATIQUE e dê o SEU MELHOR. Não ande com pessoas que são artistas marciais de boca e covardes. Gente que tem medo de levar um soco. Isso nunca te fará bem. Só ajudará a cauterizar seu desenvolvimento e engessar sua evolução. Quando você acordar será até um faixa preta, mas por dentro sentirá que nada mudou e não terá confiança na sua arte e procurará refúgio em regras e em mentir para si mesmo.

 

“Eu confio no meu Karate! Sei o que posso ou não fazer...” 

Sensei Vanderlei Castelo 

Oss

 

David Mendes

Nenhum comentário:

Postar um comentário