segunda-feira, 21 de maio de 2012

Teoria e eficiência


Anyhaseo

Sensei André Bertel


Ontem compartilhei um vídeo de Sensei Masao Kagawa com amigos da academia e por incrível que pareça ouvi de um membro, que pelo simples fato de num ponto do vídeo o Sensei falar (ou ele interpretar que falou já que o audio estava em japonês) que na base Kokutsu o peso deve ser jogado 90% na perna de trás e 10% na da frente, ele era esquisito ou a base era esquisita.
Para se ter uma idéia da grandeza do Sensei Kagawa  ele passou pelo curso de instrutores da maior entidade de Karate do mundo a JKA.Curso do qual muitos desistiram. E houve até casos de que Senseis morreram durante o mesmo. Dando literalmente a vida pelo Karate.
Acho que é complicado perder tempo com essa discussão da base 10% para lá ou para cá ou julgar que uma defesa feita com a curvatura do braço a 85% ou 90%. Ou se em um soco o braço esta 5 milímetros para baixo ou para cima. Se o golpe for eficiente dane-se a plástica. A eficiência do golpe é neutralizar o adversário. Se ele neutralizar ele é bonito. Se ele for bonito plasticamente ele é uma coisa inútil. Também depende da genética do adversário a adequação dele ao golpe e a assimilação do seu coro ao Karate. É claro que devemos treinar para fazer sempre o correto. Essas mudanças serão feitas naturalmente pelo seu corpo. Não é também uma licença para fazer errado ou se qualquer modo.
Na verdade da até gosto ver uma pessoa executar um kata (forma) de forma, mesmo que travada e pesada, com eficiência. Hoje você vê uma competição de kata onde até o nome do kata é dito sem kime (de uma forma bem simples kime é “de forma decidida” também podendo ser poder ou foco). Tudo se resume estética e rapidez. Acreditar que a beleza do Karate é resumida em um kata do Luca Valdesi é um sofisma a ser combatido.
Diz um antigo ditado: O diabo esta nos detalhes. Se você se perder no lado detalhista e teórico do Karate você ira descobrir o que já tenho dito:”A letra mata”.Como diz um Sensei  em um post que li há um tempo atrás e no fórum do  Karateca.net: A filosofia do Karate é a partir do terceiro ou quarto Dan (Dan são os graus da faixa preta ).Até lá um bom Karateca tem que se garantir na luta.
Voltando ao inicio do papo. Chamar o Karate do Sensei Kagawa de “esquisito” além de ser uma afirmação de um grande equivoco é também de uma falta de respeito terrível para com um homem que fez pelo Karate e pelo seu próprio Karate feitos grandiosos. Feitos que milhares de Karatecas não se sacrificarão a fazer.

Oss
 
David Mendes é contra o Karate "teórico"!Karate é modo de vida!VIVA ELE!

Foto tirada do blog dineifaversani.blogspot.com
Vídeo do canal keishinkandojo do Youtube

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Futebol X MMA ?


Anyhaseo!


Há um tempo fui em um desses “Sport & Bar” ver uma luta de MMA com uns amigos da academia. Confesso que ficamos decepcionados com a experiência pois durante a luta as pessoas gritavam como loucas durante a luta. Parecia que estávamos em um estádio e sem separação de torcidas, onde qualquer coisa poderia resultar em briga. De certa forma até comentei sobre umas “panelinhas” de jovens com camisetas de academia. Nada contra eu mesmo tenho uma camiseta que fiz da minha academia e me orgulho dela e até fui desafiado por um Pitt boy da vida em certa ocasião. Creio que uniformes criam certas divisões de grupos podendo claramente se tornar no principio de uma “torcida organizada” em tais eventos. E faço questão de falar que se em uma briga de torcida organizada já resultam em mortes. Imagina uma briga onde TODOS tem uma determinada noção de luta?
 Além de não termos tido o prazer de ver em paz. Ouvir narrações e poder analisar o que estava acontecendo.  Beber e comer como seres humanos.  Tínhamos que ver homens gritando nomes de lutadores (como se eles pudessem ouvir) como meninas gritam o nome de um ídolo teen qualquer, como (na minha época) um “Backstreet Boys” da vida. Ver adultos se comportando como meninas de 14 anos me decepcionou.
Hoje vi em um site a declaração do lutador de MMA Mauricio Shogun falando sobre o perigo da associação do MMA com o futebol. Pois rola um fanatismo e não gostaria de ser amado ou odiado por quem sempre foi seu fã, por um motivo banal como um patrocínio de futebol.
Durante uma entrevista do Anderson Silva no programa Pânico. Ele fala que ele luta pelo Brasil e não pelo Corinthians. Mas por mais que se tente explicar isso a um corinthiano fanático, eu duvido que ira ele entender e conseguir divisar uma coisa da outra. Por mais que o Anderson Silva repita isso em cadeia nacional no horário nobre da televisão. Pois fanatismo é isso. Uma paixão infundada por algo ou alguém.
O exemplo mais perfeito disso eu sempre cito:
Um “metaleiro” é um sujeito que curte rock.
Um “punk” é um sujeito que curte rock.
Os dois se dão bem?
Nem um pouco se houver fanatismo. Aí você me pergunta o motivo. Os dois curtem rock então por qual razão brigar?
Quando você tem uma paixão infundada por algo e seus argumentos acabam (ou o outro os ignora) o que resta para defender seu posicionamento? Infelizmente no caso de um fanático são os palavrões e quando eles acabam ai vem a porrada.
Eu curto futebol e amo ver futebol, mas quando meu time perde ou ganha eu continuo da mesma forma. Sentimentalmente rola uma felicidade e até uma motivação, mas no mais eu continuo tendo que pagar as contas e trabalhar e todo o resto.
Dói em meu coração quando vejo pessoas dizendo que seu time é a vida delas. Sinto pena dela. A vida é tão grande e tão cheia de maravilhas para ser resumida em  um time de futebol.
Há tanta coisa para fazer e pelo que lutar.
Tenho medo que um dia o MMA seja assim.
Acho que o jeito do brasileiro se comportar e torcer por algo tem que ser revisto. E se isso não acontecer não é saudavel ligar MMA a futebol. E isso somente com educação pode ser mudado. Não da educação que você deixa nas mãos do governo (o brasileiro adora terceirizar suas responsabilidades). Mas a da sua própria família. Ao invés de ensinar desde pequeno o menino a amar um clube vestindo ele com uniformes desde pequenino. Por que não deixar isso mais para frente quando ele já tiver uma certa noção do que isso realmente seja.
O mundo muda de dentro para fora. Em nós mesmos começam as grandes revoluções
Pensem nisto. 

Oss





Fotos:
http://www.corinthians.com.br

http://tudocelebridades.com.br


quarta-feira, 2 de maio de 2012

A necessidade se machucar!




Anyhaseo!

"Todo homem morre, mas nem todo homem é lembrado."

(O Patriota)






Quando eu era criança costumava brincar com bolinhas de gude. Carregava uma garrafa pet com elas até encherem de bolinhas que coletava nos inúmeros desafios nos quais me eram propostos por meus amigos. Não era o melhor jogador do bairro, mas quanto mais eu me esforçava e arriscava mais a sorte me sorria. Às vezes ocorria de receber desafios de meninos menores que eu na faixa dos 5 até uns 7 anos. Eu com nove recusava a maioria. Pois eu sabia que, muitas vezes em quase 100% dos casos, aceitar esses desafios representava uma perda de tempo, pois um garoto menor quando perdia chorava e fazia birra e chamando a mãe dele fazia você entregar as bolinhas conquistadas no embate. Como diz uma velha frase da molecada acostumada a morar em prédios:”Não quer brincar então não desce para o playground!”
Há umas semanas meu mestre ouviu de um pai de um aluno que se machucou na aula (choque comum de canela com canela ou coisa parecida): “Eu pratiquei artes-marciais a vida inteira e nunca me machuquei”.
A não ser que ele tenha exagerado dizendo que nunca se machucou de forma relevante. Ele mentiu feio. Ou ele lutava aquelas ”lutas com cotonetes na ponte” em que quem cai da ponte. Cai num amontoado de espumas. Ou o mestre dele era um “boneco” que não ensinou nada relevante.
Eu mesmo pratico artes marciais desde 2009 e nunca me machuquei de forma relevante. Exemplo: Quebrar um braço, costela ou perna.
Devo ter trincado alguns dedos do pé, mas nada que houvesse a real necessidade de atrapalhar a vida de um ortopedista ou de um clinico geral. Mas torções, hematomas, equimoses, estiramento e outras lesões por excesso (ou falta) de esforço, por ser leigo ou simplesmente por chutar errado ou perder o tempo do saco de pancada.Isso sempre foi direto. Algumas você mesmo corrige e outras são quase inevitáveis. Já leveis vários nocautes técnicos. E creio que alguns órgãos tenham até hoje a marca do calcanhar de meu mestre. O mais próximo de um nocaute que eu lembro que levei foi um chute circular no queixo. Apagou tudo por alguns segundos mas nada que eu caísse ou desmaiasse. Até acredito que é um milagre que meu nariz esteja intacto desde 2009. Mas é algo que vivo com a certeza que mais cedo ou mais tarde ira quebrar e como tenho um nariz de judeu (até pois o nome Mendes em uma de suas origens remonta a judeus) creio que não deve ser difícil de acertar.
Desde que comecei a praticar artes marciais digamos que me preparei para morrer se necessário. E considero uma honra morrer assim. Falo com orgulho e não tenho o mínimo de aspiração a morrer e nem busco isso. Somente aceito como algo imutável nos nossos destinos e que muitos não querem aceitar.
Não só nas artes marciais há o infortúnio de morrer ou se ferir. No futebol mesmo vimos há alguns anos um jovem ser empalado durante um jogo de futebol de salão. Atletas de skate tendo fraturas uma ou outra vez na vida. Esses dias mesmo eu estava jogando futebol e terminei com os joelhos machucados e braços arranhados e fiquei super feliz pois além de estar me divertindo me bateu uma saudade da infância quando vira e mexe me machucava jogando bola ou até andando de bicicleta.
De uma forma bem direta para finalizar o tópico: Se você não esta pronto para se machucar, não esta pronto para viver!
Isso em todos os campos. Físico, mental, espiritual, sentimental e por aí vai. Sua parte é agüentar as porradas. Se você as agüenta, está pronto para viver. Na Biblia conta a historia de Ló e Abraão (que eram sobrinho e tio). Ló era um cara que procurava sempre a vida mais fácil os lugares mais planos e confortáveis. Já Abraão ele ia onde era ordenado. Não reclamava. Ele sempre estava pronto. Resultado: Ló acabou tendo sua descendência extinta da terra. Já Abrão gerou descendência que veio a se espalhar por toda a Terra.
Nunca desista e sempre treine com o seu melhor. Se você algum dia se machucar é só ficar calmo. A gente não esta na guerra civil americana onde se amputam pessoas com serrotes e sem anestesia. Temos médicos que podem cuidar de nós. Toma vergonha na cara e vai dar tudo certo. Agora se não quiser se machucar é só comprar uma sapatilha e se dirigir ao balé. Mas por menor que sejam os riscos lá também existirão.
Entenda os riscos e saiba que às vezes você perde. Seja as bolinhas de gude ou a luta!

Oss



David Mendes Um conceituado piloto de Need for Speed Pro Street